segunda, 03 de dezembro de 2018 - 11:39h
Esforço internacional mapeia comportamento da onça-pintada em cinco biomas
Pesquisa, que reuniu 18 instituições, foi feita numa área que corresponde a 30% da distribuição geográfica da espécie, entre a América Central e o sul da América do Sul.
Por: Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações
Foto: Instituto Mamirauá
Conservação da onça-pintada permite a conservação de outras espécies.

Do semiárido da Caatinga às florestas alagáveis da Amazônia, a onça-pintada é espécie indicadora da “saúde” da biodiversidade de uma região. Por ocuparem o topo da cadeia alimentar, se as onças estão bem, é provável que todo o ecossistema que as alimenta também esteja. Esta é uma das conclusões de um estudo que reuniu 29 pesquisadores de 18 instituições, incluindo o Instituto Mamirauá, ligado ao Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações.

Juntos, eles analisaram dados de telemetria (técnica que determina o posicionamento dos animais ao longo do tempo a partir de rastreadores via GPS) de 20 machos e 20 fêmeas para traçar um panorama do comportamento da onça-pintada em cinco biomas diferentes da América do Sul: Mata Atlântica, Cerrado, Caatinga, Amazônia e Pantanal. O resultado do estudo foi publicado na revista “El Sevier – Biological Conservation.

“A onça é uma espécie ‘guarda-chuva’. Por precisar de áreas amplas e ser carismática, a conservação dela permite a conservação de outras espécies também. Se você preservar uma área apenas preocupado com a onça-pintada, você estará preservando várias outras espécies daquela região”, afirma o pesquisador Emiliano Ramalho, que é diretor técnico-científico do Instituto Mamirauá.

A pesquisa foi feita numa área que corresponde a 30% da distribuição geográfica da espécie, que vai da América Central ao sul da América do Sul. No total, foram avaliados animais em oito ambientes diferentes de cinco biomas sul-americanos: a Reserva de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá (Amazônia); o Parque Nacional da Serra da Capivara (Caatinga); áreas privadas no Cerrado brasileiro; os parques nacionais do Iguaçú, no Brasil, e Iguazú, na Argentina (Mata Atlântica); o Parque Estadual de Ivinhema (Mata Atlântica); o Parque Nacional do Morro do Diabo (Mata Atlântica); a Estação Ecológica Taiama (Pantanal); e a Fazenda Caiman (Pantanal).

De 1998 a 2015, foram registrados 87.376 posicionamentos individuais, através dos rastreadores, entre as 40 onças. “Conseguimos, pela primeira vez, juntar dados e fazer uma análise de uso de espaço e dos recursos naturais por essa espécie”, explica Ramalho.

O perfil da onça-pintada

Os pesquisadores descobriram, por exemplo, que as onças tendem a evitar locais sem florestas onde elas cobrem mais de 58,4% da área. Além disso, as onças analisadas mostraram interesse por regiões próximas a cursos de água (como rios, lagos e igarapés), ainda que a distribuição dos animais também inclua lugares extremamente áridos. Isso sugere que esses felinos mudam seu comportamento de acordo com o tipo de ambiente, podendo aumentar a extensão de sua movimentação, a área de repouso, a atividade noturna e o uso de vales e cavernas para amenizar a temperatura e evitar a perda de água.

A onça-pintada é considerada uma espécie indicadora da saúde da biodiversidade de uma região. Por estarem no topo da cadeia alimentar, se as onças estão bem, é provável que todo o ecossistema que as alimenta também esteja. A partir dos resultados observados pelo estudo, é possível estabelecer prioridades para a conservação da espécie.

SETEC - Secretaria de Estado da Ciência e Tecnologia
Rodovia Juscelino Kubitschek - Km 02, Ramal da UNIFAP S/N - (96) 3216-8600 - setec@ap.gov.br
Site desenvolvido e hospedado pelo PRODAP - Centro de Gestão da Tecnologia da Informação
2017 - 2018 Licença Creative Commons 3.0 International
Amapá